Home da viração| Viração World| Revista| Assinatura| Contato
Fundo Direitos Humanos
RejupeSP
18 Razões

Login

Senha

Esqueceu a Senha?

Edição do Mês

Confira a Declaração dos Adolescentes participantes da 3ª Conferência Global sobre Trabalho Infantil PDF Imprimir


10, outubro 2013 - 20:38

Da Redação

Foram encerradas nesta quinta-feira, 10 de outubro, as atividades da 3ª Conferência Global sobre Trabalho Infantil, que reuniu delegações de 130 países para reafirmarem o compromisso de erradicar, até 2016, as piores formas de trabalho envolvendo crianças. E um dos momentos do último dia contou com a presença dos adolescentes brasileiros que realizaram a cobertura educomunicativa do evento.

Com a presença do ex-presidente Lula, do diretor-geral da Organização Internacional do Trabalho, Guy Ryder, e dos ministros do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, Tereza Campelo, do Trabalho, Manoel Dias, e das Relações Exteriores, Luiz Alberto Figueiredo, os adolescentes apresentaram suas produções em mídia e leram a Declaração dos Adolescentes que, entre outros pontos, afirmaram a necessidade dos governos facilitarem a participação de crianças e adolescentes nos espaços de tomadas de decisão. Leia, abaixo, a íntegra da carta.

 

DECLARAÇÃO DOS ADOLESCENTES PARTICIPANTES DA 3ª CONFERÊNCIA GLOBAL SOBRE TRABALHO INFANTIL

Caros colegas presentes na 3ª Conferência Global sobre Trabalho Infantil,

Durante esses três dias de encontro, estivemos presentes para reforçar a ideia de que temos um papel fundamental na construção de políticas públicas para acabar com o trabalho infantil no mundo.

Temos um jeito diferente do adulto de ver e sentir o mundo. Assim como o idoso. Muitas vezes, os adultos só lembram do que fizeram de ruim e feio quando eram adolescentes.

Nós temos muita energia e vontade, mas ainda precisamos de adultos que nos incentivem e criem outras formas de nos incluir na formulação de políticas para nós adolescentes. Para estimular a nossa participação é necessário criar espaços para que isso venha acontecer.

Muitas vezes, em nossa própria casa, somos incentivados a trabalhar desde muito cedo. E o que fazer em uma situação como essa? Quando conseguimos entender e acessar nossos direitos, também conseguimos interferir em pensamentos e condutas de nossas famílias, que embora queiram o melhor para nós, às vezes podem não estar certos o tempo todo.

Se serei o gestor do amanhã, também preciso quebrar barreiras criadas pelos adultos de hoje, para repetir os acertos, mas não repetir  os mesmos erros.

Com, após muita discussão, chegamos a cinco pontos que gostaríamos que as delegações dos países aqui presentes dessem uma atenção especial, que irão incentivar nossa participação em lugares onde ocorre a formulação de políticas, assim como as conferências, como também nas próprias políticas para a erradicação do trabalho infantil em nosso planeta.

Estas são nossas afirmações:

- Mobilização e articulação do poder público, da sociedade civil, inclusive crianças, adolescentes e jovens, para o fortalecimento de políticas públicas voltadas ao enfrentamento do trabalho infantil, em especial do trabalho infantil doméstico e na agricultura.

- Ampliação de programas sociais de transferência de renda para contribuir com a erradicação da miséria no mundo e do trabalho infantil.

- Estabelecimento de compromissos com governos para garantir a participação de crianças e adolescentes em políticas públicas de educação integral, cursos profissionalizantes, cultura, esporte e lazer.

- Integração das políticas de educação, saúde e assistência social para identificação de situações de trabalho infantil e o atendimento das demais situações de violação de direitos.

- Garantir a participação de crianças, adolescentes e jovens nos espaços de decisões políticas, em especial na 4ª Conferência Global sobre do Trabalho Infantil em 2017, desde as fases preparatórias até a etapa final.

E gostaríamos de pedir, em nome de todas as crianças e adolescentes, o compromisso de assinatura da convenção 182 da Organização Internacional do Trabalho até  a 4ª Conferência Global sobre do Trabalho Infantil pelos nove países que ainda não aderiram para que as crianças e adolescentes desses países sejam protegidos das piores formas de trabalho infantil.

Por fim, queremos agradecer a comissão organizadora desta Conferência por entender que sem a nossa participação, não se pode avançar na construção de um mundo mais justo para crianças e adolescentes.

Equipe de adolescentes comunicadores: Dayana (PA), Ítalo Meotti (DF), Rafael Lima (CE), Rogério Silva (RS), Sarah (AC), Thailane Oliveira (RJ), Wesley Busatto (ES), Marco Antônio (TO), Hilamy Moreira (AM), Laisnanda Sousa (MA), Daniel Vonmuller (SC), Laiana Souza (BA), Danielle Fiel (PB), Matheus Farias (RN), Fábio (AP), Júlio César (MG), Weverson Antônio (MT), Alanna Santos (SE), Thamires Rozendo (AL), Lucas Soares de Oliveira (MS) e Suzana Silva (PE)

Educomunicadores: Bruno Ferreira, Elisangela Nunes, Filipe Campos, Maria Luisa Moura e Rafael Silva

 

1 Comentário
Deixe seu Comentário


* Nome

* Email (Nao sera publicado)

Site

* Seu Comentario

Current day month ye@r *

Web TV

Redes Sociais

  • Facebook
  • Flickr
  • Phyrtual
  • RSS
  • Twitter
  • Youtube
Tradução

    Translate to:

Facebook

Campanhas

  • panfleto plip frente_final
Histórico
Agência Jovem de Notícias - Copyleft © Permitida a reprodução sem moderação desde que citados o link e a fonte
Viração Educomunicação: Rua Dr. Bitencourt Rodrigues, 88 - Sé - São Paulo 01017-010
tel: 11-3237-4091 - 3115-0142 - e-mail: redacao@agenciajovem.org